merida enamora
Diario do Sul
El Faro Familia

Seis autarcas do Alentejo Central revelam expetativas para o novo ano

Esperança e reforço do Poder Local são os principais desejos para 2016

Adversidades, dificuldades, economia, empobrecimento, famílias, cortes. Foram estas as principais palavras usadas quando os autarcas, com que o “Diário do Sul” falou, se referiram ao ano que agora está a findar. Otimismo, esperança, desejos, reversão e importância do Poder Local foram os vocábulos que expressaram quando lhes foi perguntado o que esperam de 2016.

Maria Antónia Zacarias

08 Janeiro 2016 | Fonte: Redacção D.S.

Certo é que quando um ano começa, as expetativas são sempre elevadas e é isso que é revelado. Este olhar positivo sobre os próximos 366 dias, uma vez que 2016 é ano bissexto, assenta, de acordo com os seis presidentes de Câmara questionados, sobre uma necessidade de governação estável e capaz de executar políticas sociais que tenham impacto na vida da população portuguesa. Aguardemos, então, pelo ano 2016 com a certeza de que o passado ficou lá atrás e que o caminho faz-se hoje para se conseguir um amanhã melhor!

José Manuel Grilo
Presidente da Câmara Municipal de Portel

“Esperamos que a nova governação olhe com mais atenção para o poder autárquico”

“Espero que tenhamos uma melhor vida autárquica, aqui, no concelho neste novo ano que se aproxima. Parece-me que perspetivas boas estão nesse horizonte em termos daquilo que será a política autárquica, pelo menos todos esperamos, com uma nova governação, com uma nova abertura para os problemas autárquicos. Ambiciono que aquilo que tínhamos projetado e que temos previsto nas nossas campanhas eleitorais possa vir a ser realizado com a ajuda dos fundos comunitários. Gostaria que houvesse soluções para as situações em que fomos um bocado discriminados, como foi o encerramento do tribunal, das freguesias e das escolas. Espero poder garantir aos munícipes a continuidade do trabalho do Poder Local na área da educação, da ação social, do apoio aos idosos, às famílias e aos nossos estudantes. Apelo a que o novo Governo olhe com mais atenção para as autarquias do interior e que resolva alguns projetos que ficaram parados”.

Bernardino Bengalinha Pinto
Presidente da Câmara Municipal de Viana do Alentejo

“Emprego e investimento aumentasse no meu concelho e em toda a região”

“Gostaria que as pessoas conseguissem atingir os seus objetivos profissionais e pessoais e que o emprego e o investimento no meu concelho e na região Alentejo aumentasse, de modo a que tivéssemos um tempo novo e que o ano de 2016 fosse, de facto, o iniciar de um novo ciclo de prosperidade e desenvolvimento para a nossa região. O ano de 2015 encerrou no concelho com chave de ouro. Apesar de muito trabalho e dos muitos problemas que nos surgiram, conseguimos ultrapassá-los e atingir os objetivos a que nos propusemos. Conseguimos duas grandes realizações: a classificação como Património da Humanidade do fabrico dos chocalhos e a conclusão de uma grande obra que foi a requalificação do Paço dos Henriques, em Alcáçovas. Por tudo isto, encaramos 2016 com atitude positiva e certos de que vamos ultrapassar todos os obstáculos”.

Sílvia Pinto
Presidente da Câmara Municipal de Arraiolos

“Pedimos mais energia para lutar contra as adversidades que existem”

“O que pedimos para 2016 é que tenhamos mais de tudo, mais energia ainda para lutarmos contra as adversidades que aí estão e que consigamos dar resposta às necessidades das populações. Necessidades essas que nós infelizmente não temos conseguido resolver, pelas dificuldades que temos encontrado, não só financeiras, mas também de autonomia do Poder Local. Assim, o que gostávamos era que, efetivamente, existam essas condições para podermos proporcionar uma maior qualidade de vida aos nossos munícipes e conseguir dar resposta ao nosso poder eleitoral que é esse o nosso objetivo. O desejo é que em 2016 conseguíssemos colher esse fruto que tanto desejamos e que é o resultado do nosso trabalho”.

Hortênsia Menino
Presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Novo

“É necessário continuar a acreditar que é possível ter um futuro melhor”

“Quero deixar uma nota de esperança, de otimismo e de confiança. Tendo em conta que a situação que o país atravessa se reflete na vida das pessoas em geral é complexa, defendo que é necessário continuar a acreditar que é possível ter um futuro melhor. Penso que no que depende da intervenção do Poder Local e da intervenção junto das pessoas, isso continuará a ser feito. Por isso, garanto que é isso que em Montemor-o-Novo vamos continuar a concretizar com a colaboração e o envolvimento de todos, desde o movimento associativo, passando pelos agentes económicos e pelos culturais. É essa a perspetiva que temos para 2016”.

Carlos Pinto Sá
Presidente da Câmara Municipal de Évora

“Melhores condições de vida para as pessoas e maior dinâmica empresarial”

“Espero que 2016 possa ser um ano melhor do que 2015. Temos a perspetiva que, do ponto de vista político, possa haver melhorias e incrementos nas condições de vida das pessoas. Anseio que, ao longo de 2016, haja uma melhoria do rendimento disponível da população portuguesa, e particular dos trabalhadores, dos reformados, das pessoas de rendimentos mais baixos, o que permitirá não apenas melhorar um pouco a vida dessas pessoas, como dinamizar a economia, por via do consumo interno e da dinâmica das pequenas e médias empresas. Por outro lado, aguardo que o processo de regressão que estávamos a assistir na área da saúde, da educação, da segurança social, no Poder Local, possa começar a ser revertido e que o serviço público seja defendido e que a generalidade da população tenha acesso a esses serviços. Espero que a tendência que havia para o empobrecimento se mude e que possamos reduzir substancialmente o número de pobres que existe em Portugal. Pensando que esses impactos sejam positivos para Évora, esperamos uma melhoria das condições de vida das populações e uma maior dinâmica em termos económicos. Temos boas perspetivas empresariais para Évora e desejamos que se consiga aqui sediar o cluster aeronáutico, conseguindo elevar o nome de Évora, até porque em 2016 comemoram-se os 30 anos como Património Mundial”.

José Calixto
Presidente da Câmara Municipal Reguengos de Monsaraz

“Poder Central deve seguir política de proximidade para com as populações”

“Para 2016 temos expetativas positivas como em qualquer início de ano. A estabilidade governativa de Portugal é um dos desejos que temos associado, naturalmente, ao respeito pelo Poder Local e ao reconhecimento que este poder tem junto das populações. Esperamos que todos estes factos relacionados com instabilidades no setor financeiro sejam finalmente ultrapassados e possamos esquecer estes milhares de milhões de euros que se estão a esvair em vez de serem aplicados no Estado Social e em obras que possam ser úteis às pessoas. Estamos a vê-los ir por buracos financeiros na banca que nos preocupam a todos e, assim, queremos que 2016 seja um ano limpo nessa matéria. Ambicionamos que a inversão das tendências de austeridade, de contenção de despesas sociais do Estado naqueles que mais precisam, possa acontecer e que tenhamos áreas como a Segurança Social, a Educação, a Cultura, a Saúde, que possam respeitar uma sociedade que se quer inclusiva. São estes os desejos de alguém que, todos os dias, juntamente com os seus colegas, tem que resolver problemas muito concretos das populações. Penso que o Poder Central deve seguir essa linha de proximidade com as pessoas porque é para isso que os servidores públicos existem”.

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.