acerca el otoño
Diario do Sul
diario jornal

Cerimónia no Jardim da Memória

Évora recorda Vítimas da Estrada

Este ano já morreram 10 pessoas no distrito

Fonte: Redacção D.S.

17 Novembro 2015

GARE – Associação para a Promoção de uma Cultura de Segurança Rodoviária assinalou no passado domingo, no Jardim da Memória, o Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada, cujo mote este ano foi: Dia da Memória – É tempo de Recordar - Diga Não ao Crime Rodoviário!

Esta celebração que ocorre por todo o mundo desde há vinte anos e foi reconhecida pela Assembleia Geral da ONU há 10 anos, demonstra a enorme dimensão e impacto da morte e da lesão na estrada e a necessidade urgente de ação.

Segundo Adérito Araújo, “o espírito desta celebração é de que a evocação pública da memória daqueles que perderam a vida nas estradas e ruas portuguesas significa um reconhecimento, por parte da sociedade, da trágica dimensão da sinistralidade, e ajuda os sobreviventes a conviver com o trauma de memórias dolorosas resultantes de desastres rodoviários”.

Em declarações aos jornalistas, o responsável pela GARE – Associação Para a Promoção de uma Cultura de Segurança Rodoviária lamentou ainda o desinvestimento verificado em Portugal e em toda a Europa em relação à prevenção e cidadania rodoviária. “O caminho passa por investir na escola e nas famílias. A prevenção rodoviária é um trabalho a longo prazo e como tal as escolas e os professores deveriam receber formação nestas matérias e os programas curriculares deveriam contemplar aulas de cidadania e de civismo rodoviário”, disse ainda.

A celebração do Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada, cujas celebrações oficiais nacionais foram em Évora, teve início na Praça de Giraldo com uma marcha silenciosa, que contou com a presença de representantes de diversas entidades civis e militares.

Para o Presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), Jorge Jacob, a presença de nova tecnologia dentro dos veículos automóveis é um dos motivos que justificam o aumento da sinistralidade, “que não sucede apenas em Portugal. É um fenómeno transversal em toda a Europa”.

“Na minha opinião, e com base nos números mais recentes da sinistralidade, a tecnologia embarcado no interior dos automóveis convida as pessoas a distraírem-se. E quem se distrai a 60, 70 ou a 80 quilómetros por hora acaba por se despistar ou bater no veículo da frente”.

As cerimónias do Dia Mundial em Memória das Vitimas da Estrada, que teve uma presença significativa de motociclistas e de ciclistas constou ainda, para além de diversas intervenções oficiais, da deposição de varas, momentos musicais e de uma largada de pombos.

386 mortos este ano

Os acidentes rodoviários provocaram este ano 386 mortos, mais 15 do que em igual período de 2014, sendo os distritos do Porto e Aveiro com mais vítimas mortais, indica a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária.

Segundo a ANSR, o número de desastres nas estradas portuguesas também aumentaram este ano, tendo-se registado, entre 01 de janeiro e 21 de outubro, um total de 97.422 acidentes, mais 4.486 do que no mesmo período de 2014. Neste período, e no que ao distrito de Évora diz respeito, registaram-se 1217 acidentes, dos quais resultaram 10 vítimas mortais e 59 feridos graves.

A ANSR, que reúne dados da PSP e GNR, indica também que Porto (44), Aveiro (42) e Lisboa (39) são os distritos que registaram o maior número de mortos este ano. Já os distritos com menos mortos são Bragança e Viana do Castelo, onde os acidentes provocaram três e sete vítimas mortais respetivamente, adiantam os dados.

A Segurança Rodoviária refere que os feridos graves também aumentaram ligeiramente, tendo ficado este ano gravemente feridas 1.770 pessoas, mais 67 do que em 2014. Os acidentes rodoviários provocaram ainda 30.005 feridos ligeiros, enquanto, em 2014, tinham sofrido ferimentos ligeiros 29.450. Os dados da ANSR dizem respeito às vítimas cujo óbito ocorre no local do acidente ou durante o transporte para o hospital.

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.