Diario do Sul
Portugal2020

Green Project Awards

Cabaz que vem do mar de Odemira vence prémio de consumo sustentável

Autor :Roberto Dores

Fonte: Redacção D.S.

26 Janeiro 2016

O projeto “Cabaz do Mar”, criado em Odemira para procurar valorizar os produtos da pesca locais acaba de receber o reconhecimento do Green Project Awards, na categoria de Consumo Sustentável. Trata-se de uma aposta pioneira em Portugal, com o objetivo de fazer chegar o pescado da costa alentejana diretamente ao consumidor. Quase sem passar por intermediários.

O Green Project Awards Portugal é organziado em parceria pela GCI, Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus, destinando-se a reconhecer as boas práticas em projetos, que promovam o desenvolvimento sustentável.

O projeto prevê que uma vez por semana uma parte da pescaria seja destinada ao Cabaz do Mar, traduzido num novo sistema de entrega de peixe ao domicílio, onde estão incluídas as espécies mais comuns nesta zona da costa alentejana, mesmo os peixes menos valorizados pelos consumidores.

A coordenadora Ivânia Guerreiro revela que geralmente se encontram no cabaz polvos, bicas, besugos, choupas e até salmonetes, sendo esta uma possibilidade dos pescadores ganharem mais dinheiro uma vez que se regista a redução de intermediários. Os cabazes custam 20 euros e 50% (dez euros) desse valor vai diretamente para o pescador. “Isto não acontece em mais lado nenhum”, sublinha Ivânia Guerreiro, numa altura em que o projeto já junta mesmo alguns pescadores aposentados.

As entregas são semanais, quinzenais ou mensais, sendo o cabaz composto por três quilos de peixe já “amanhado” quando chega a casa do cliente, embalado numa caixa de esferovite com gelo para garantir a sua frescura e devidamente etiquetado com o nome das espécies que estão no cabaz

O “Cabaz do Mar” é da responsabilidade da Associação Cultural e de Desenvolvimento de Pescadores e Moradores da Azenha do Mar, na freguesia de S. Teotónio e, segundo a Câmara de Odemira, “o projeto surgiu da necessidade de valorizar e escoar o pescado de baixo valor comercial na região de Odemira”. Um conceito que se baseia no agrupamento da oferta através da associação de pescadores, num compromisso mútuo entre os produtores que se envolvem diretamente como agentes no mercado, reduzindo os intermediários e garantindo um fornecimento regular dos tais três quilos de espécies capturadas por artes de pesca sustentáveis.

O consumidor tem a oportunidade de definir a regularidade com que quer receber o pescado de uma lista de 34 espécies, indicando apenas três que não quer consumir. A maior parte dos 122 clientes está fidelizada e é regular, encomendando mais do que uma vez por mês.

Na implementação do projeto, a Associação conta com o apoio do Município de Odemira, TAIPA – Organização Cooperativa para o Desenvolvimento Integrado do Concelho de Odemira e da Docapesca Portos e Lotas.

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.