euroace
Diario do Sul
diario jornal

MEDIA

Realizado em Lisboa Seminário “Diálogo e Cooperação China-Portugal nos Media”

Seminário “Diálogo e Cooperação China-Portugal nos Media” foi realizado a 26 de novembro na capital de Portugal, Lisboa.

Autor :Zhu Boying, Li Jing, Guo Dan, Xing Shengyan, Jia Yanning

03 Dezembro 2018

O evento teve como tema “abertura e inovação nas cooperações em busca do benefício recíproco”, ocorrendo por ocasião da visita de Estado do presidente da China Xi Jinping a Portugal. Os representantes participantes afirmaram que a reunião aprofundará o intercâmbio entre os media da China e de Portugal, contribuindo para levar as relações amistosas sino-portuguesas a um patamar mais alto.
Wang Xiaohui, vice-ministro executivo do Departamento de Comunicação do Comitê Central do Partido Comunista da China e vice-diretor do Escritório de Estudo de Políticas do Comitê Central do PCCh, fez um discurso temático intitulado Intensificar a Cooperação nos Media e Aprofundar o Conhecimento Mútuo. Segundo ele, desde o estabelecimento das relações diplomáticas entre a China e Portugal em 1979, a cooperação amistosa entre os dois países tem registado avanços constantes nas várias áreas. Atualmente, as relações sino-portuguesas estão maduras, estáveis e repletas de vitalidade, estando no melhor período da história. Ele deseja que os meios de comunicação sino-portugueses possam reforçar a amizade entre povos e promover a aprendizagem mútua de diferentes civilizações, dando forças para elevar a parceria estratégica abrangente China-Portugal para um novo patamar.
Wang Xiaohui apresentou três sugestões sobre o impulso das cooperações dos media chineses e portugueses. Em primeiro lugar, transmitir o sonho e consolidar a base da opinião pública para a amizade sino-portuguesa. Ele espera que os meios de comunicação da China e de Portugal ampliem a cobertura sobre os progressos socioeconómicos dos dois países e sobre as suas experiências de governo, que divulguem uma voz positiva e que transmitam uma energia positiva, a fim de aumentar o conhecimento mútuo entre os povos dos dois países e ajudar o povo a conhecer melhor o grande significado de promover, a partir de um novo ponto de partida, a parceria estratégica abrangente China-Portugal para um novo patamar, um nível mais profundo e espaço mais amplo.
Em segundo lugar, mostrar confiança e emitir uma voz firme nas questões importantes. Ele espera que os media da China e de Portugal transmitam de forma positiva o conceito de destino comum da humanidade, consolidem a confiança para abertura e cooperação e enfrentem de mãos dadas os riscos e desafios, além de coordenar suas posições quanto às grandes questões regionais e internacionais, a fim de formar uma força unificada e emitir uma voz comum. Ele deseja que os media dos dois países contem bem as histórias sobre a cooperação internacional de "Uma Faixa, Uma Rota", e que reflitam sobre os novos progressos e resultados da cooperação económica e comercial e da coordenação de estratégias de desenvolvimento sob o quadro da iniciativa.
Por último, aprofundar a cooperação para aumentar a força difusora e influência dos media da China e de Portugal. Ele espera que os meios de comunicação dos dois países aprendam uns com os outros em aspetos como a melhoria do processo de produção de conteúdos, a ampliação dos meios de divulgação e a atualização tecnológica, e que impulsionem a transformação e a atualização, a fim de formar um novo tipo de media com maior competitividade. Mais espera que as duas partes ampliem as áreas de cooperação, realizem cooperação de forma sistemática e regular em áreas como troca de informações, entrevistas conjuntas, coberturas conjuntas, coprodução de programas e formação de pessoal, e elevem em conjunto o nível de divulgação.
O vice-presidente da Rádio Internacional da China do China Media Group, Tian Yuhong, compartilhou em discurso as suas opiniões sobre a cooperação de media na nova época. Para ele, os media devem defender o desenvolvimento global, salvaguardar uma ordem económica internacional justa e aberta, e aderir ao princípio de negociação, compartilhamento e construção conjunta, alentando a nova força positiva para a governação do mundo; os media devem defender a abertura e inclusividade e evitar os confrontos, promovendo a criação de um ambiente amigável para procurar os comuns e manter, respeitar e até diminuir as disputas e conflitos; os media devem manter o princípio de igualdade, prestar mais atenção e ouvir mais as palavras proferidas dos países emergentes e em desenvolvimentos e tratem igualmente todos os países, a fim de construir uma ponte de comunicação com respeito mútuo.
Ele ainda sugeriu que os media reforcem o intercâmbio e aprendizagem mútua entre diferentes civilizações, impulsione a inovação para o desenvolvimento comum e reforce as cooperações pragmáticas.
O vice-editor-chefe do Diário Económico da China, Zhang Shuhong, explicou aos medias presentes em seu discurso a nova normalidade da economia chinesa. Segundo ele, a desaceleração do crescimento económico chinês está em conformidade com as leis económicas, sendo uma opção ativamente tomada em prol do desenvolvimento ao longo prazo. Face aos problemas surgidos no período de rápido crescimento, o governo chinês justificou que a economia chinesa entrou em uma nova "normalidade", que se trata de um desenvolvimento inovador, coordenado, verde, aberto. Zhang Shuhong expressou o desejo de reforçar a cooperação e o intercâmbio com a imprensa portuguesa.
O diretor de política legislativa para a media da secretária geral do conselho dos ministros de Portugal, Sérgio Gomes da Silva, afirmou em discurso que a China é um país antigo e tem uma civilização muito rica, que deu grande contribuição para a humanidade. O desenvolvimento da China nestas últimas décadas tem de fato um ritmo de crescimento rápido. Ele disse acreditar que a área de comunicação, meio que nos liga a todos, tem um papel importante.
O presidente da RTP, Gonçalo Reis, disse em discurso que a RTP já tem uma relação sólida há algum tempo com as instituições e as empresas chinesas de comunicação social, como China Media Group. As duas partes têm várias formas cooperação, que passam por intercâmbio de conteúdo, por possibilidade de fazermos coproduções. Ele referiu que vai assinar um protocolo de cooperação durante a visita do presidente da China a Portugal com o China Media Group. Além disso, ainda tem vários projetos em mãos, para fazer na área de partilha de conteúdos e de coproduções internacionais.
O presidente da LUSA, Nicolau Santos, apresentou em discurso que a sua agência produz noticiário em português e inglês e, no próximo ano, planeia ter um site de notícias em chinês. Segundo ele, isso serve para assinalar o ano muito importante nas relações entre Portugal e a China, que será o próximo ano, em comemoração dos 40 anos do estabelecimento das relações diplomáticos entre Portugal e a China, os 20 anos do regresso de Macau à China, e os 70 anos da República Popular da China. Ele acrescentou que a LUSA vai reforçar a sua delegação em Macau, com jornalista bilíngue. O objetivo é conhecer melhor quais são os planos da China, o que é a Rota da Seda, o que é o projeto da grande baía Hong Kong-Macau e Guangdong, bem como qual é o papel que está definido para Macau como plataforma de ligação da China aos países de língua oficial portuguesa.
O Seminário foi organizado pelo China Media Group e pela Associação Portuguesa de Imprensa. Cerca de 100 representantes dos media chinesas, como o Diário do Povo, a Agência Xinhua, o China Media Group, o Diário Guangming e o Diário Económico, realizaram discussões aprofundadas em conjunto com os representantes das principais organizações portuguesas de media, como a Associação Portuguesa de Imprensa, a Rádio e Televisão de Portugal (RTP) e a Agência Lusa, e com organizações de media dos países da língua portuguesa como Brasil, Angola e Moçambique. Os dois lados abordaram as questões de como o fortalecimento da ligação de conceitos, estratégias e políticas de desenvolvimento, o reforço das cooperações de conteúdo, direito autoral e técnicas, e alcançaram um amplo consenso.
No Seminário, o China Media Group assinou com a Associação Portuguesa de Imprensa o Acordo de Cooperações entre China Media Group e Programa de Imprensa Portuguesa "Uma Faixa, Uma Rota".

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.