Diario do Sul
Twitter rectangular

“Cinco Regiões, Mais Investimento”

Ministro do Planeamento e das Infraestruturas reuniu com autarcas e empresários do Alentejo

O Alentejo foi a primeira zona do país a acolher a iniciativa “Cinco Regiões, Mais Investimento”, um ciclo de sessões cujo objetivo é fazer um ponto de situação da aplicação dos fundos europeus do Portugal 2020 e esclarecer dúvidas de autarcas e empresários.

25 Outubro 2016

No caso do Alentejo, o encontro decorreu, na sexta-feira, na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA) e contou com a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, e do secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza.

Houve ainda uma reunião de trabalho com os dirigentes da CCDRA e da Autoridade de Gestão do Alentejo 2020.

No final das reuniões realizadas neste dia, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas considerou que “as coisas chegaram a um estado de mais normalidade na execução do Portugal 2020”, adiantando que “estamos com níveis de pagamentos às empresas bem acima do pagamento que tinha sido feito no período equivalente do QREN e os empresários reportaram-nos aqui uma normalidade no que diz respeito aos valores recebidos relativamente àquilo que têm direito no âmbito das candidaturas que efetuaram”.

De acordo com Pedro Marques, “na reunião com os autarcas foi salientado que depois de uma fase que foi mais difícil, de apresentação de candidaturas e de lançamento de concursos, já há também muitas obras a chegarem ao terreno”.

O governante disse ainda que “estamos numa fase em que a parte da burocracia mais pesada inicial de candidaturas foi ultrapassada e já conseguimos separar aquilo que é o atraso normal de um processo de candidatura que gera sempre expectativas, daquilo que possam ser bloqueios concretos que ainda existam no sistema de incentivos ou no sistema de apoio ao investimento e que estejam a bloquear investimentos importantes para as populações”.

Nesse sentido, Pedro Marques explicou que “foi isso que viemos aqui fazer, ouvir os autarcas e os empresários da região, que reportaram as dificuldades que ainda possam existir, o seu anseio doutro tipo de concursos”, frisando que “estivemos a ouvir para decidir melhor e apresentar novos concursos no futuro”.

Para o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, “a minha satisfação decorre do facto de já termos várias centenas de milhões de euros de aprovações, quer do lado dos investimentos autárquicos, quer do lado do investimento empresarial”.

Revelou também que “temos muitos empresários com vontade de investir, até mais depressa e a perguntarem-nos como podem aceder ao acelerador de investimento”.

Para além disso, o governante destacou que “do lado das autarquias, o sinal que nos deram foi de que os concursos públicos estão a ir para o terreno, tal como as obras também estão a ir para o terreno”.

Constatou ainda que “do lado das câmaras municipais, acho que há vontade de ultrapassar bloqueios que ainda existam, mas sobretudo muita vontade de fazer depressa o investimento porque é investimento que é importantíssimo para a coesão territorial e para a coesão do Alentejo”.

Como tal, Pedro Marques confessou ter sentido “uma satisfação quanto a este dia de trabalho, que foi muito produtivo, e pareceu-me haver por parte das pessoas uma satisfação pela oportunidade de podermos trocar ideias e construirmos em conjunto, entre o Governo e os municípios e entre o Governo e os empresários, os caminhos de futuro nas políticas públicas e nos fundos estruturais”.

Garantiu ainda que “há sempre casos concretos de problemas ou de impasses, mas não foi apontada nenhuma situação estruturalmente bloqueada”.

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.