merida enamora 2
Diario do Sul
Twitter rectangular

Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes anunciou em Évora

Concurso para a construção do novo Hospital de Évora vai ser lançado em 2017

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes definiu que o futuro hospital é um objetivo estratégico do país, tendo apontado a necessidade da sua construção, uma vez que a estrutura atual “é muito disfuncional e envelhecida”.

25 Outubro 2016

O governante adiantou que prevê no primeiro semestre do próximo ano o concurso para a edificação do novo equipamento, após decidir qual o modelo de financiamento.

Adalberto Campos Fernandes afirmou que “há que estabilizar o modelo de financiamento da construção da nova unidade hospitalar, uma decisão que tem sido discutida no seio do Governo e que no primeiro semestre de 2017 estará resolvida”, anunciou.

O Hospital de Évora foi considerado, pelo ministro da tutela, como um objetivo estratégico para o país e não só para toda a região do Alentejo. E explicou: “A discussão centra-se entre dois modelos, um de financiamento direto e outro que é feito através de um financiamento por parceria público-privada, mas apenas infraestrutural”.

O titular da pasta da saúde foi corroborado pelo deputado socialista, eleito pelo distrito de Évora, Norberto Patinho, que salientou a extrema necessidade da construção do novo hospital. “Nós ficámos muito satisfeitos quando vimos o Governo assumir a construção de três hospitais, entre os quais está o de Évora”, frisou.

Estas declarações foram feitas à margem de uma sessão de esclarecimento do Governo sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2017, que decorreu no Palácio D. Manuel, em Évora, no passado sábado.

O ministro da Saúde afirmou que sobre este assunto quis passar uma mensagem de “esperança, embora não ignoremos as dificuldades dos tempos que vivemos”. O mesmo responsável evidenciou que “tudo aquilo que está a ser execução orçamental e o reconhecimento externo das políticas do Governo fazem crer que podemos olhar para 2017 com a convicção de que os portugueses tinham razão para acreditar e insistir noutro caminho e é isso a que estamos a assistir”.

Tendo falado na generalidade na proposta de Orçamento, Adalberto Campos Fernandes realçou que no que concerne ao capítulo da Saúde serão lançados os projetos dos hospitais de Évora, Lisboa Oriental e do Seixal, em articulação com o Ministério das Finanças.

Recorde-se que o projeto do novo hospital foi elaborado pelo arquiteto Souto Moura, tendo uma previsão de capacidade de 351 camas, extensível a 440, num investimento calculado na ordem dos 94 milhões de euros.

Deputado Norberto Patinho defendeu que o Governo “está a atuar” sobre o Alentejo

O deputado socialista Norberto Patinho afirmou que olha para esta proposta de orçamento como sendo algo possível e que procura dar uma resposta de justiça à sociedade. “Relativamente ao distrito de Évora e um orçamento que nos deixa esperançados, dado que em várias áreas temos respostas positivas”, apontou.

O representante do povo lembrou que o Partido Socialista tinha várias medidas que apresentou aos eleitores na última campanha eleitoral e que “felizmente esse leque de 20 questões e promessas estão a ser bem sucedidas”. E acrescentou: “Há alguns aspetos que seriam mais difíceis de atingir, mas esta estimativa dá-nos uma esperança grande relativamente ao novo hospital que era uma das nossas apostas porque é uma necessidade do nosso distrito e de toda a região Alentejo”.

Norberto Patinho deu outros exemplos do que está contemplado neste documento, como a ferrovia que liga Sines a Badajoz, admitindo, contudo, que existam alguns receios quanto à estratégia de passagem do comboio por Évora. “A linha vai ser construída por fases, mas esperamos que antes de ser feita, seja encontrada uma solução que garanta a segurança da população de Évora e a manutenção desta cidade como Património Mundial”, sustentou.

O deputado referiu ainda que há uma clara aposta no interior “de que são exemplos os incentivos para os médicos se deslocarem para estas regiões, bem como a existência de estímulos de candidaturas aos fundos comunitários para dar resposta à população e aos empresários”.

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.