Diario do Sul
Twitter rectangular

Estratégia definida em protocolo

Alentejo aponta a altos voos com aposta no cluster aeronáutico

Mais de uma dezena de instituições regionais assinaram ontem o protocolo de colaboração do setor aeronáutico do Alentejo. Objetivo? Estabelecer formas de cooperação entre os signatários que garantam a promoção da atividade aeronáutica por terras alentejanas.

19 Abril 2017 | Publicado : 16:47 (19/04/2017) | Actualizado: 16:51 (19/04/2017)

Estratégia rumo à internacionalização que potencie a atração de novos projectos de investimento. A ligação Ponte de Sor, Évora e Beja é apontada como “fator preponderante”.

Roberto Grilo, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, destacou o “dia marcante”, que teve a Câmara de Beja como palco, com a assinatura do protocolo que contribuiu para a internacionalização do Alentejo. Além de Alqueva e porto de Sines, Roberto Grilo alertou que há “outras atividades económicas” que potenciam a exportação e permitem aproveitar a localização do Alentejo.


É aqui que coloca o cluster aeronáutico como uma “atividade de grande relevância estratégica e tecnológica”, que abre portas à ambicionada internacionalização regional . “Estas atividades dão hoje um contributo para a economia regional com impactos significativos na criação de postos de trabalho diretos altamente qualificados”, sublinhou, destacando ainda os impactos a “montante e jusante”, citando as pequenas e médias empresas.


“O Alentejo e o país carecem de novas dinâmicas competitivas associadas a atividades de maior valor acrescentado que lhe incorporem inovação”, insistiu Roberto Grilo, para reforçar o papel da atividade aeronáutica. 


O presidente de CCDR sublinhou ainda que com a assinatura do protocolo “fica claro para o Alentejo, para o país, e espero que cada vez mais para os principais players internacionais do setor, que aqui a aeronáutica já não é apenas um setor emergente na economia do Alentejo, mas sim uma realidade económica cada vez mais consolidada”, insistiu. Grilo aludiu a um conjunto “muito significativo de investimentos empresariais”, alertando ainda que a criação de emprego neste setor “pode fomentar a atração para a região de profissionais muito qualificados”.


Já Hortênsia Menino, da Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo (ADRAL), elogiou “o trabalho conjunto” em torno de um objetivo que adjetivou de “fundamental” no desenvolvimento da região, traduzido na partilha da experiência de conhecimentos. “O protocolo pretende criar uma plataforma de colaboração e discussão sobre o setor, considerando que os signatários do protocolo são os principais interessados em serem ouvidos”, disse, admitindo que a plataforma de trabalho “estará aberta ao envolvimento e participação de todos aqueles que possam dar um contributo”, tendo ainda destacado também o potencial da região para acolher a fixação de novos investimentos. 


“Temos já excelentes exemplos na região com as boas notícias dos últimos dias”, disse, reportando-se à decisão do Conselho de Ministros, tomada na semana passada, de viabilizar a instalação da primeira grande empresa no aeroporto de Beja, a AeroNeo. Desde 2012 que a AeroNeo manifestava intenção de concretizar investimento no aeroporto de Beja.


Entre os 12 signatários esteve Carlos Pinto de Sá, presidente da Câmara de Évora, e a reitora da Universidade eborense, Ana Costa Freitas. O autarca destacou o empenho do município no setor aeronáutico, encarando o “desenvolvimento económico  que passa pela dinamização da sua base económica”, disse o edil, sem hesitar em colocar o setor entre os “estratégicos” numa altura em que Évora recebe a instalação de um conjunto de empresas com um volume de investimento de 170 milhões potenciando a criação de 964 postos de trabalho diretos.


Já a reitora considerou o cluster aeronáutico como sendo “mais uma resposta coletiva que mostra a força” do Alentejo na afirmação nacional e internacional. Ana Costa Freitas avançou que a Universidade de Évora vai abrir uma pós-graduação em aeronáutica já para o próximo ano e que um dos mestrados irá ter uma especialização nesta área.

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.