Diario do Sul
diario jornal

Comunistas perderam quatro municípios do Baixo Alentejo

Distrito de Beja volta a pintar-se de “rosa” e destrona bastiões da CDU

Partido Socialista voltou a recuperar a liderança do distrito de Beja por ter conseguido reconquistar câmaras à Coligação Democrática Unitária. No passado domingo, o PS dominou os municípios de Beja, Barrancos, Castro Verde e Moura à CDU e manteve outros seis que já governava (Almodôvar, Aljustrel, Ferreira do Alentejo, Mértola, Ourique e Odemira). A CDU assegurou os municípios de Alvito, Cuba, Vidigueira e Serpa, considerado o único bastião comunista do Baixo Alentejo.

Autor :Maria Antónia Zacarias

Fonte: Redacção Diário do Sul

04 Outubro 2017 | Publicado : 11:22 (04/10/2017) | Actualizado: 11:25 (04/10/2017)

Os resultados das autárquicas de domingo, no distrito de Beja, mostram que o PS voltou ao primeiro lugar no pódio, liderando dez municípios e os comunistas o segundo lugar ficando a governar quatro.
De acordo com a Comissão Nacional de Eleições, o distrito de Beja deu a vitória ao PS com 50,44 por cento dos votos, seguido da CDU que obteve 33,64 por cento e do PSD que conseguiu 6,22 por cento. A grande derrotada da noite foi a CDU, coligação que junta o PCP e o Partido Ecologista “Os Verdes”, que perdeu metade dos oito municípios.
Os 14 concelhos que constituem o distrito de Beja são: Aljustrel (PS), Almodôvar (PS), Alvito (CDU), Barrancos (PS), Beja (PS), Castro Verde (PS), Cuba (CDU), Ferreira do Alentejo (PS), Mértola (PS), Moura (PS), Odemira (PS), Ourique (PS), Serpa (CDU) e Vidigueira (CDU).
Com a vitória em Beja, o PS recuperou um antigo “bastião” comunista do Baixo Alentejo que tinha conquistado à CDU, pela primeira vez, em 2009, e havia perdido em 2013. A agência Lusa lembra que, entre 1976, ano das primeiras autárquicas, e 2009, quando o PS a conquistou pela primeira vez, a câmara de Beja foi liderada pela CDU ou outras coligações encabeçadas pelo PCP.

PS afirma que
eleitores reconheceram
o trabalho de há 20 anos

Nas eleições autárquicas de domingo, a candidatura do PS liderada por Paulo Arsénio, reconquistou o município, tendo obtido 46,25 por cento dos votos e elegeu quatro vereadores. De acordo com a Lusa, o presidente eleito da Câmara de Beja viu estes resultados como “uma vitória natural de quem vem fazendo um trabalho em Beja desde há duas décadas e que se apresentou às eleições com humildade e boas equipas e um programa sólido”.
Paulo Arsénio considerou ainda que este triunfo “resultou do reconhecimento da cidade de Beja a uma pessoa que é de cá, que sempre cá esteve, que sempre cá viveu, que sempre cá trabalhou e que, aos 45 anos, faz parte quase do mobiliário da cidade”.
Tendo o PS sido a força política mais votada para a Câmara de Beja, esta foi seguida pela candidatura da CDU que arrecadou 37,61 por cento, elegendo dois vereadores, seguida do PSD que obteve 5,38 por cento dos votos, pelo Bloco de Esquerda 3,43 por cento e pelo CDS-PP que conseguiu 3,19 por cento, não tendo, por isso, conseguido eleger qualquer vereador.
Olhando agora para o distrito, em Castro Verde, o PS acabou com um domínio comunista de 41 anos no município presidido por coligações lideradas pelo PCP desde dezembro de 1976.
Com a vitória em Barrancos, o PS também conquistou um antigo “bastião” comunista do Baixo Alentejo que só esteve nas mãos dos socialistas entre 2001 e 2005.
Em Moura, o PS acabou com um domínio comunista de 20 anos e recuperou o município que tinha perdido para a CDU nas autárquicas de 1997.
O PSD não conseguiu recuperar Almodôvar, a única autarquia que liderava no distrito de Beja e deixou fugir para o PS em 2013, apesar de ter apostado no antigo autarca António Sebastião, que liderou o município durante 12 anos e três mandatos consecutivos, entre 2011 e 2013.

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.