Diario do Sul
diario jornal

Revelação feita no Coisas de Vinho de Fevereiro

16 mil pessoas visitam o Enoturismo Cartuxa, em Évora

Fonte: Redação

05 Março 2018

Mais de 16 mil pessoas visitou o Enoturismo Cartuxa, em 2017, revelou o presidente executivo da Fundação Eugénio de Almeida (FEA), José Mateus Ginó. Segundo este gestor, que foi o convidado principal da iniciativa “Coisas de Vinho – Tertúlia, o Vinho e Tudo à Volta”, realizada no dia 22 de fevereiro, a presença de turistas neste espaço da FEA, tanto nacionais, como internacionais, é o corolário de um processo de crescimento “estruturado”.
“Durante muitos anos, quem vinha à nossa loja, na Quinta do Valbom, manifestava quase sempre o desejo de visitar a Adega da Cartuxa. Com a abertura da nova adega, situada na Herdade de Pinheiros, tornou-se possível começar a pensar este projeto de uma forma estruturada, consentânea com a chancela da Fundação Eugénio de Almeida”.
“Assim, entre 2007 e 2010 estudámos e projetámos o Enoturismo Cartuxa e o nosso caminho tem vindo a ser feito através de uma constante aprendizagem. Esses ensinamentos acabam por se refletir neste projeto, de sucesso digo eu, que em 2017 recebeu a visita de mais de 16 mil pessoas”, revelou ainda.
Recorde-se que Portugal é um país de forte tradição vitivinícola, e a excelente qualidade dos seus vinhos tem reconhecimento em todo o mundo, sendo numerosos os prémios e distinções conquistados em concursos internacionais. E para os apreciar e conhecer, nada como visitar as regiões onde se produzem, sendo os vinhos um excelente pretexto para descobrir também as paisagens, o património, a cultura e as gentes que aqui vivem.
O Alentejo é uma região fértil em unidades de enoturismo, não fosse esta uma região onde se encontram vários dos principais produtores nacionais e a sua qualidade é apreciada em todo o mundo, tendo sido considerada como a melhor região vinícola do mundo para visitar em 2014 pelos leitores do conceituado jornal americano USA Today. Há, por isso, unidades de produção vinícola que recebem visitantes, seja para conhecer as vinhas, a adega, provar os vinhos e, porque não, pernoitar e conhecer a região em redor.
Este foi, pois, o mote para a tertúlia “Coisas de Vinho”, do mês de Fevereiro, organizado, como habitualmente, pelo Grupo Diário do Sul, Universidade de Évora, Divinus Gourmet e Vinhos do Alentejo, que teve lugar na Adega da Cartuxa, na Quinta do Valbom.

Localizado a dois quilómetros do Centro Histórico, e a 200 metros do Mosteiro da Cartuxa que inspirou o seu nome, o Enoturismo Cartuxa encontra-se instalado na antiga casa de repouso dos Jesuítas (Companhia de Jesus), que lecionaram na Universidade de Évora nos séculos XVI e XVII. Com a sua expulsão, em 1759, por ordem do Marquês de Pombal, a propriedade passou a pertencer ao Estado, começando alguns anos mais tarde, em 1776, a funcionar como um importante lagar de vinho que absorvia a produção vitivinícola da região. Adquirida no século XIX pela família Eugénio de Almeida, a Adega Cartuxa passou por várias reformas e ampliações ao longo do tempo, conservando a riqueza da sua memória arquitetónica e histórica.
Quem visita o Enoturismo Cartuxa tem a oportunidade de usufruir da envolvência única da Quinta de Valbom, da sua história, e de visitar o edifício onde a Adega Cartuxa foi fundada. Neste local de culto, o visitante pode ainda provar os vinhos e azeites da Fundação, à venda na loja da Adega.

Cartuxa’s à prova

Como sucede há 16 edições, a Tertúlia dá sempre a conhecer um ou dois vinhos de produtores regionais. Desta vez, coube aos anfitriões dar a experimentar/conhecer o Cartuxa Branco, de 2016, e o Tinto, de 2014, dois clássicos do catálogo da Fundação Eugénio de Almeida.
Coube ao enólogo Pedro Batista explicar que, produzido a partir das castas Antão Vaz e Arinto, o vinho Branco associa a sua qualidade ao nome dos monges Cartuxos, que desde 1597 levam uma vida solitária de oração no Convento de Santa Maria Scala Coeli, em Évora.
Já o vinho tinto, explicou, tem por base as castas mais comuns do Alentejo: Trincadeira, Aragonez, Alfrocheiro, Periquita, Moreto e Tinta Caiada.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.