euroace
Diario do Sul
diario jornal

Exposição patente até 13 de abril

Fotografias de lugares abandonados em destaque no espaço da Cisterna na Universidade de Évora

Autor :Marina Pardal

Fonte: Redação

06 Março 2018

A proposta partiu do Grupo Lugares Abandonados e foi feita à Biblioteca Geral da Universidade de Évora (UÉ). Mostrar mais de 50 fotografias que retratam locais e espaços que já tiveram vida, mas que hoje apenas guardam memórias.
Foi assim que surgiu a exposição de fotografia “Lugares Abandonados”, inaugurada no dia 23 de fevereiro no espaço da Cisterna, localizado no Colégio do Espírito Santo, da Universidade de Évora.
De acordo com Carla Santos, coordenadora da Biblioteca Geral da UÉ, “quando os membros do Grupo Lugares Abandonados nos propuseram realizar uma exposição de fotografia num dos espaços da biblioteca, o local que escolhemos desde logo foi o espaço da Cisterna”.
Explicou que “este era o local ideal para realizar esta exposição, até pela própria história da cisterna, pois, tal como muitos destes locais que estão retratados nas fotografias, também a cisterna esteve inativa durante muitos anos, tendo sido política da atual reitoria fazer a reabilitação deste espaço, transformando-o num espaço de apoio às atividades culturais realizadas pela biblioteca”.
Durante a sessão inaugural, marcaram presença alguns autores das obras expostas, bem como três dos administradores deste grupo que se dedica a tirar fotografias a lugares abandonados em Portugal e no estrangeiro.
Segundo Pedro Pereira (de Vendas Novas), “este espaço da universidade é emblemático e temos a oportunidade de apresentar aqui uma exposição com um maior número de fotografias, comparando com outras que já fizemos”, relatando que “temos mais de 50 imagens expostas que retratam locais nacionais e internacionais”.
Por sua vez, Duarte Madeira (da Moita) acrescentou que “esta é a nossa quinta exposição, sempre com fotografias diferentes”.
Relativamente ao grupo, adiantou que “foi fundado em junho de 2014 e conta com cerca de 40 mil membros”, realçando que “partilhamos as nossas fotografias através do Facebook, Instagram, Flickr, entre outras redes sociais”.
O mesmo administrador especificou que “os membros são sobretudos portugueses, mas também há de outras nacionalidades, principalmente espanhóis”, evidenciando que “partilhamos o interesse pela fotografia e pelos lugares abandonados”.
Referiu ainda que “o objetivo é também alertar as pessoas para o património que se vai perdendo através do abandono”.
Já Maria Serra e Moura (de Cascais) reforçou que “o grupo pretende mostrar fotografias de lugares abandonados, até porque muitos fizeram parte da história industrial ou religiosa”.
Contou ainda que “todos nós temos curiosidade em saber a história desses locais, o porquê de estarem no atual estado”, apontando que “gostamos de fotografia e de registar esses lugares, pois um dia possivelmente vão desaparecer”.
A exposição “Lugares Abandonados” fica patente no espaço da Cisterna na UÉ até 13 de abril e pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.