euroace
Diario do Sul
diario jornal

Cavalgada entre Moita e Viana do Alentejo é de 25 a 29 de abril

Romaria a Cavalo ainda tem espaço para melhorar

“O desafio que se nos coloca é perceber o que pode ser melhorado na nossa Romaria depois de em 2017 já se ter atingido um nível muito elevado. Mas temos a certeza que é possível melhorar e que há sempre surpresas reservadas na partida e na chegada”.

Autor :Roberto Dores

Fonte: Redação Diário do SUL

09 Março 2018

É desta forma que o presidente da Câmara de Viana do Alentejo, Bernardino Bengalinha Pinto, eleva a fasquia sobre à 18ª Romaria a Cavalo que dia 25 de abril parte para a estrada. A cavalgada mais célebre do país seguirá pela Canada Real até ao concelho alentejano de Viana onde deverá chegar, sempre com pompa e circunstância, na tarde de sábado.

A apresentação de edição de 2018 da Romaria a Cavalo teve a Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) como palco privilegiado, onde marcaram presença os representantes da Comissão Organizadora, autarquia, Associação dos Romeiros da Tradição Moitense e Associação Equestre de Viana do Alentejo.

Em declarações ao Diário do Sul, Bengalinha Pinto recuou à edição de 2017 para sublinhar “a qualidade” atingida pela cavalgada que juntou centenas de cavaleiros e um extenso cordão humano composto por milhares de pessoas à chegada. “Reunimos vários motivos para se conseguir aquele nível. Desde logo, as condições meteorológicas foram excelentes. Sabemos que é pior para os animais, porque há mais desgaste, mas para efeitos de público foi muito bom”, relembrou o edil.

Mas a que nível pode ainda a Romaria crescer? Bengalinha Pinto prefere ir com calma. “Estes crescimentos têm que ser sustentados e graduais. Ou seja, não nos interesse crescer de repente porque depois podemos não ter infraestruturas que respondam com a qualidade que desejamos”, justificou, dando como exemplo o risco que poderia representar um substancial aumento do número de cavaleiros. “Podíamos estar a prejudicar o evento do ponto de vista técnico para os animais. Por isso dizemos que preferimos ir crescendo gradualmente”, insistiu o presidente da Câmara de Viana do Alentejo, que volta a anunciar um programa animado para receber os romeiros que chegarão sábado, lá para as 17.00 horas, após a pernoita na freguesia das Alcáçovas, seguindo depois para o Santuário da Senhora de Aires, onde se retoma o forte carácter religioso que sublinha esta festa.

Manda a tradição que os romeiros assistam à Procissão de Nossa Senhora de Aires, a quem vão pedir a bênção dos seus animais. Um ritual que durante largas décadas foi praticado pelos agricultores ribatejanos, mas que há mais de 70 anos viria a ser interrompido, para “ressuscitar” em 2000 por um grupo de amigos.

Escreve a história que os agricultores da Moita se deslocavam anualmente a Viana do Alentejo com os seus animais para, no dia da Procissão de Nossa Senhora d'Aires, pedirem à padroeira a protecção do gado e boas colheitas. O crescente abandono da atividade agrícola, mergulhada numa crise estrutural que conduziu ao abandono da terra, levou ao desaparecimento da tradição.

Recorde-se que apesar do carácter religioso na sua génese, nos dias de hoje a Romaria assume uma vertente mais lúdica, de convívio entre os romeiros, que se deslocam de todo o país e do estrangeiro para participarem no evento.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.