Diario do Sul
Twitter rectangular

Conclusões do Relatório FAQtos 2018 — EM 6 ANOS, O ACESSO A REDES SOCIAIS NO TELEMÓVEL AUMENTOU 4 VEZES ENTRE OS JOVENS PORTUGUESES

Uso de telemóveis aumenta o perigo de exposição à radiação

Equipa de investigadores do INOV-INESC/IST anuncia as tendências de seis anos de inquéritos aos jovens sobre utilização de telemóveis e risco associado à exposição à radiação eletromagnética

22 Março 2018

Uma equipa de investigadores do INOV-INESC/IST, responsável pelo projeto FAQtos no âmbito da informação em comunicações móveis, acaba de tornar público os resultados de seis anos de inquéritos aos jovens portugueses sobre a utilização do telemóvel, no estudo “Telemóveis e os Jovens: Utilização e Preocupações 2016/2017“.

Os 9.091 inquéritos aplicados em 138 estabelecimentos de ensino secundário em todo o país, ao longo de seis anos letivos (entre 2010 e 2017), indicam que os jovens (entre os 15 e os 22 anos) aumentaram em 3 vezes a utilização da internet no telemóvel (de 33% em 2010/2011 para mais de 97% em 2016/2017). O acesso às redes sociais, que aumentou 4 vezes no mesmo período, é uma das principais motivações, num universo em que mais de 92% possui um tarifário que inclui pacote de dados, mas apenas 20% aponta restrições à utilização por parte dos pais.

A análise dos resultados mostra também que a maioria dos inquiridos tem telemóvel desde os 10 anos (idade coincidente com entrada no 2º ciclo do Ensino Básico), sendo que apenas 39 alunos indicaram não ter qualquer dispositivo de comunicações móveis. Decrescente é o número de jovens com mais do que um terminal - 6% em 2016/2017, face aos quase 20% em 2015/2016 -, percentagem parcialmente explicada pelos planos de dados e pelos tarifários com comunicações ilimitadas, mesmo entre operadoras diferentes, que situam o gasto mensal médio para todos os alunos nos 9,86€.

Os mais recentes dados recolhidos pelo projeto FAQtos indicam também que, além do acesso à Internet, os serviços mais utilizados pelos jovens portugueses são a Voz, o SMS e ouvir música/rádio, com uma elevada percentagem de utilização do auricular (58,% no total dos seis anos de estudo). Outras opções incluem ainda os filmes/vídeos, as fotografias e a leitura.

As tendências na utilização reportam valores bastante elevados (em média, 93 SMSs enviados e cerca de 27 minutos de chamadas por dia), sendo de considerar o número expressivo de jovens com valores diários acima destas médias. A crescente utilização de canais para troca de mensagens baseados na internet (como WhatsApp, Viber e Snapchat), possibilitada pelos tarifários com pacotes de dados, veio impactar diretamente no hábito de envio de mensagens ditas tradicionais, particularmente expressiva nos três primeiros anos do projeto.

Olhando à tipificação por género, as raparigas continuam a fazer telefonemas mais longos (em média, mais 8 minutos por dia) e enviam mais SMSs (mais 14 por dia) do que os rapazes. Já o número médio de chamadas diárias apresenta valores próximos tanto para rapazes como para raparigas: 4 telefonemas diários.

Quando questionados sobre a preocupação sobre os possíveis efeitos das radiações, os jovens portugueses acentuam a inversão na tendência: cerca de 36% dos jovens preocupam-se, face aos 19% que já procuraram informação sobre o tema.

O FAQtos desenvolve atividade na área da comunicação (através de ações de informação e divulgação), na medição de radiações eletromagnéticas e investigação, tendo por base o portal http://faqtos.pt. Promove anualmente o Prémio FAQtos, um concurso nacional que premeia os melhores projetos de alunos do ensino secundário, professores orientadores e suas escolas, na criação de uma consciência coletiva sobre a utilização dos telemóveis.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.