Diario do Sul
diario jornal

Plano de contingência foi ativo durante estes dias

Apesar do calor, HESE não registou um aumento do afluxo às urgências

O afluxo às urgências do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) tem-se mantido dentro dos valores habituais, da onda de calor registada nos últimos dias.

Autor :Marina Pardal

17 Agosto 2018

Não obstante, este hospital ativou o plano de contingência preparado para estas situações de calor extremo. De acordo com a presidente do Conselho de Administração do HESE, Maria Filomena Mendes, até ontem de manhã, “tivemos um afluxo às urgências perfeitamente normal para a época, quer na urgência geral, quer na urgência pediátrica”.
Reforçou que “não registámos um aumento da intensidade da procura, nem casos que possamos associar diretamente a situações de desidratação ou de insolação devido às temperaturas elevadas que se sentiram nos últimos dias”.

Maria Filomena Mendes lembrou que “os alentejanos estão habituados ao calor e sabem defender-se e preservar- se nas alturas de maiores temperaturas”.

Para além disso, considerou que “os avisos feitos por diferentes entidades, nomeadamente o hospital, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, a delegada regional de saúde, a proteção civil e até os meios de comunicação, têm contribuído para que as pessoas tenham mais cuidados”.
A mesma responsável salientou que “essas recomendações passam por evitar a exposição ao sol e o esforço físico e por aumentar o consumo de água”, constatando que “por Évora ser uma cidade com muitos turistas, também fizemos um trabalho a alertar nesse sentido”.
Na sua opinião, “o facto da população conviver há muito tempo com o calor, conjugado com estes avisos frequentes, tem contribuído para que não se registe um maior afluxo às urgências”.
Segundo Maria Filomena Mendes, “de qualquer forma, estamos de prevenção e em alerta total para o evoluir desta situação, pois podemos vir a ter um afluxo diferente”, garantindo que “se houver um aumento da solicitação do serviço, o hospital está preparado”.
Explicou que “ativámos o plano de contingência para ondas de calor”, especificando que “temos um reforço das equipas de enfermagem na urgência geral e na urgência pediátrica e temos também um reforço na prevenção, quer ao nível da farmácia, quer da parte do provisionamento, porque podemos precisar de mais medicação, como soro ou oxigénio”.
A presidente do Conselho de Administração do HESE realçou ainda que “temos diferentes profissionais de prevenção, desde médicos a assistentes sociais ou psicólogos, para se houver necessidade, estarmos prevenidos e atuarmos de imediato, prestando à população os cuidados necessários”.
Apesar do Instituto Português do Mar e da Atmosfera prever para os próximos dias uma diminuição da temperatura em todo o país, incluindo no Alentejo, é importante manter os cuidados recomendados para os dias mais quentes.
Através de uma publicação na sua página do Facebook, o HESE recordou esses cuidados. As recomendações foram feitas pela médica de Medicina Interna, Luísa Rebocho. “Ter especial atenção às crianças, idosos e a quem trabalha na rua”, disse a médica, frisando “a importância de beber água, mesmo sem se ter sede, e de oferecer esta bebida a quem não se pode deslocar”. Luísa Rebocho focou ainda que “devemos usar roupa leve e clara e evitar andar na rua entre as 11 e as 17 horas”. Precisou que “quem trabalha na rua deve proteger-se, usando chapéu e roupa adequada, reforçando ainda mais o consumo de água”.
Por fim, a médica lembrou “não devemos deixar crianças, nem idosos dentro dos carros, mesmo por um curto período de tempo”, destacando também que “é importante impedir a entrada de calor em casa, encerrando o espaço durante o dia e só o abrindo à noite”.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.