MALO
Diario do Sul
CCDR Portugal 2020

Vai continuar a financiar a escola

Câmara de Montemor defende Ofício das Artes

A Câmara de Montemor-o-Novo garante que vai continuar a apoiar financeiramente a Escola Profissional Ofício das Artes, mesmo depois do Relatório da Inspeção Geral da Educação, revelado pela TVI, ter dado como provado que o presidente do estabelecimento e a diretora pedagógica desviaram milhares de euros em benefício pessoal.

Autor :Roberto Dores

13 Dezembro 2018

A autarquia continua a financiar o projeto com 25 mil euros por ano, a par de outros apoios especiais, mas contactada pelo Diário do Sul, a presidente do Município, Hortênsia Menino, justifica que a Câmara considera "importante" apoiar o projeto. Sublinha a edil que a escola "está a funcionar regularmente e tem autorização de funcionamento válido, com um projeto pedagógico inovador, sobretudo na perspetiva da educação e da criação artística".
Para a autarca, estes são "vetores de desenvolvimento local", que justificam o financiamento concedido pela autarquia", seguindo o conjunto de critérios de atribuição de apoios estabelecido pelo município.
Sobre "as referências a outro tipo de processos que estejam a decorrer", Hortênsia Menino diz que "não tendo a Câmara qualquer poder tutelar ou inspetivo sobre a escola", prefere remeter-se ao "papel de entidade que apoia o projeto". Reforça a edil que a intervenção da autarquia se fica pelos "procedimentos de atribuição de apoios no âmbito do regulamento municipal de apoio ao movimento associativo".
Apesar da acesa polémica, Hortênsia Menino defende a escola. Recorda como ao longo dos anos tem sido desenvolvido no concelho um trabalho com "visibilidade ao nível da educação e da cultura" com apoio da autarquia, admitindo que o estabelecimento de se fala "proporcionou a Montemor a oferta do curso profissional de instrumentistas de jazz e, mais recentemente, um curso de formação de construção de instrumentos musicais". A autarca considera estarem em causa "ofertas inovadoras" que entroncam na estratégia de intervenção da Câmara ao nível dos apoios à educação e cultura.
Recorde-se que, ainda de acordo com a investigação feita pela TVI, a Escola Profissional Ofício das Artes, está a ser investigada pelo Ministério Público por desvio de dinheiros, segundo resume o relatório da Inspeção Geral da Educação, conhecido em janeiro.
O documento dá como provado que foram feitos "levantamentos em dinheiro sem justificação, pagamentos por deslocações inventadas, desvios de verbas para suportar as contas de eletricidade da casa do presidente, despesas com supermercado durante férias escolares e muitos gastos em refeições", de acordo ainda com a TVI.
O relatório diz também que os dois suspeitos revelam “falta de idoneidade”, mas continuam em funções ao fim deste tempo. Alerta ainda a reportagem da TVI que já depois do relatório ter concluído pela falta de idoneidade, o Ministério da Educação confirmou a nomeação da diretora pedagógica da Ofício das Artes.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.