SME
Diario do Sul
Portugal 2020 projetos Março

Município garante que “a venda será formalizada em breve, seguindo-se as obras de requalificação”

Habitante de Monforte denuncia que “Hotel Palma está degradado e tem sido vandalizado”

Autor :Marina Pardal

Fonte: Redação DS

24 Abril 2019 | Publicado : 15:38 (24/04/2019) | Actualizado: 16:57 (24/04/2019)

“Todas as divisões do Hotel Palma de Monforte encontram-se em alto estado de degradação e destruição, além de grande parte do equipamento ter sido roubado e destruído”.
A denúncia foi feita por um habitante de Monforte numa carta dirigida ao Grupo Diário do Sul, bem como a outros órgãos de comunicação social.
Nessa mesma carta, adiantou que “esta situação é sinónimo de desagrado, não só para mim, como para os restantes monfortenses”.
A este respeito, recordou que “a vila de Monforte detém um hotel, construído há 23 anos e que custou aos cofres do município cerca de 1,8 milhões de euros”, explicando que “este hotel encontra-se na posse da câmara municipal e em vias de ser vendido”.
O mesmo habitante refere que “o estado de degradação em que se encontra o Hotel Palma de Monforte resulta dos ataques de vandalismo constantes e diários por parte de pessoas que já são conhecidas na região”.


Este monfortense frisou ainda que “a GNR é chamada inúmeras vezes ao local, podendo eu afirmar que muitas das vezes já nem se dão ao trabalho de visitarem o local para 'não terem de se chatear' com os criminosos”, alertando que “estes procuram todo o tipo de material que possam vender, nomeadamente janelas e portas de alumínio”.
Relativamente ao Hotel Palma de Monforte, realçou que “está classificado com três estrelas, dispondo de 27 quartos com terraço, restaurante e bar, piscina e campo de ténis”.
Entretanto o presidente da Câmara de Monforte, Gonçalo Lagem já reagiu a esta denúncia. Numa carta enviada ao jornal Linhas de Elvas, o autarca esclareceu que “muito em breve a venda será formalizada, seguindo-se o início das obras de requalificação do espaço”.
Nessa mesma resposta dada ao Linhas de Elvas, Gonçalo Lagem garantiu que “o atual executivo está, como sempre esteve, desde que que tomou posse no seu primeiro mandato, em 2013, atento e preocupado em encontrar uma solução para este equipamento, que preserve o espaço e permita que nele se desenvolva a atividade para o qual foi construído, bem como proteja e beneficie o erário público”.


Nesse sentido, explicou que “o executivo tentou, ao longo destes anos, encontrar uma solução que satisfizesse os objetivos atrás enunciados, promovendo diversos concursos públicos, quer para venda, quer para concessão do espaço, muitos deles infrutíferos por falta candidatos, provavelmente devido aos anos de crise económica que o país viveu”.
Contudo, o autarca congratulou-se que, “em dezembro do ano passado, em hasta pública promovida pelo município, foi possível encontrar interessados na compra do Hotel Palma, tendo a venda sido possível de concretizar”, constatando que “tal permitirá não só dar uma solução à situação física do edifício, mas também potenciar o desenvolvimento económico do concelho e a criação de novos postos de trabalho”.


Na missiva enviada ao Linhas de Elvas, explicou também que, “no passado mês de março, foi realizada a adjudicação definitiva, encontrando-se o processo atualmente em fase de preparação da escritura pública respetiva”, focando que “todos os passos dados pelo executivo, ao longo dos seus mandatos, estão documentados nas atas das reuniões da câmara e assembleia municipal”.


Em relação aos atos de vandalismo, o presidente do Município de Monforte afiançou que “o executivo tem reagido aos mesmos, dentro do que os mecanismos legais lhe permitem, e apresentado junto das autoridades competentes as necessárias queixas”, evidenciando que “algumas delas deram origem a detenções em flagrante delito”.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.