auchan
Diario do Sul

EPRAL faz “balanço positivo” do projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular

Autor :Marina Pardal

Fonte: Redação DS

17 Junho 2019

Dar às escolas instrumentos para adaptarem as aprendizagens aos alunos, de forma a promover o sucesso escolar entre todos. Este é um dos princípios em que assentam os projetos de Autonomia e Flexibilidade Curricular que têm vindo a ser desenvolvidos por várias escolas de todo o país.
A EPRAL - Escola Profissional da Região Alentejo é uma das instituições de ensino que adotou este modelo. No ano letivo de 2017/18 em fase piloto, enquanto em 2018/19 já de uma forma mais consolidada.
No dia 5 de junho, decorreu uma sessão de trabalho para dirigentes e professores da EPRAL, bem como para entidades parceiras, no sentido de fazer um balanço e perspetivar o futuro da implementação deste projeto, aproveitando também as comemorações do 20.º aniversário da Fundação Alentejo, entidade proprietária desta escola. A sessão contou ainda com a presença do secretário de Estado da Educação, João Costa.
De acordo com Fernanda Ramos, presidente da Fundação Alentejo, “fomos uma das escolas que aderiu ao projeto-piloto, em 2017/18, e este ano letivo tentámos diversificá-lo para todos os anos de ensino”.
Acrescentou que “foi nesse sentido que agora quisemos fazer um balanço do trabalho destes dois anos, tendo sido organizadas estas jornadas pedagógicas”.
Fernanda Ramos referiu que “também quisemos refletir se temos condições para que o projeto cumpra os objetivos da flexibilidade curricular, que é de facto garantir o sucesso escolar”.
Recordou ainda que “a autonomia e a flexibilidade curricular exigem um envolvimento e um esforço muito grande do corpo docente e do corpo discente”.
Na sua opinião, “há necessidade de haver flexibilidade de horários e de utilização de espaços diferenciados, em momentos diferenciados, e isso implica que a tutela perceba o enquadramento e a necessidade de lhe dar um novo enquadramento também financeiro, criando equipas multidisciplinares em cada uma das escolas que possam apoiar o corpo docente”.
Por sua vez, o diretor da EPRAL, Cláudio Ramos, adiantou que “prevê-se prolongar este projeto nos próximos anos letivos, pois é importante ao nível da integração entre as turmas, entre os cursos e a própria comunidade educativa”, garantindo que “tantos os docentes, como os alunos têm encarado o projeto de uma forma muito positiva”.
Na sua perspetiva, “o trabalho em equipa facilita e enriquece as aprendizagens e é nesse sentido que os nossos jovens estão a ver esta nova metodologia”.
Cláudio Ramos especificou que “há interatividade entre formadores e entre disciplinas, pelo que podemos ter no mesmo espaço de formação, professores de mais do que uma disciplina”.
Sublinhou ainda que, “nesta sessão, quisemos aprimorar alguns pormenores que são necessários e enriquecer mais o nosso corpo docente”.
Durante a iniciativa, o secretário de Estado da Educação lembrou que “o princípio de todo este processo é a partilha de práticas, pelo que disponibilizarmos os serviços do ministério para acompanhar e ajudar na monitorização”.
Segundo João Costa, “a autonomia implica mesmo não estar a pedir licença para fazer, podendo contar connosco para o acompanhamento”.
Destacou que “temos muitas escolas que pegaram nesta 'liberdade' e reestruturaram as suas equipas e as formas de trabalhar, fazendo também uma análise interna sobre o que é que têm que é menos eficaz e aquilo que têm que pode ser mais eficaz”.
Para o coordenador do Plano Nacional de Promoção do Sucesso Escolar, José Verdasca, também presente na sessão, “a autonomia e flexibilidade curricular é um instrumento de organização e desenvolvimento do currículo, que é facilitador de criar condições e ambientes mais adequados de aprendizagem para desencadear este processo de formação mais ajustado a cada um dos contextos”.
Considerou que “o objetivo principal é conseguir mais aprendizagens da parte dos alunos e também melhores condições de trabalho do ponto de vista das oportunidades e das agilidades que o próprio modelo organizativo pode configurar”.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.