Diario do Sul

REGIONAL

UM ALENTEJO QUE SE REINVENTA

O Alentejo esquecido, escassamente povoado, distante e parado no tempo que persiste num certo imaginário cosmopolita, há muito que contraria essa visão. Há todo um Alentejo que se move, que cria e se reinventa fazendo das fraquezas força e duma identidade que ainda preserva o mote para os mais diversos projectos. E quando a origem não está nessa singularidade territorial é ainda um mercado que se desenha de raíz que impele negócios inovadores na região.

16 Setembro 2019 | Publicado : 18:23 (16/09/2019) | Actualizado: 18:32 (16/09/2019)

O Programa DESTAQUE LEADER no Alentejo Central, promovido pelo Monte ACE no âmbito do projecto Leader– Empreendedorismo e Inovação em Contexto Local, co-financiado pelo Alentejo 2020, Portugal 2020 e Fundo Social Europeu, tem trazido à Rádio Telefonia do Alentejo, ao longo dos últimos meses, as histórias de diferentes empresários e empresas que partilham um pouco do seu percurso, dos obstáculos com que se depararam, das oportunidades que encontraram, do absoluto compromisso com as suas ideias e sonhos e a vontade de concretizá-los e de uma crença na possibilidade de construir projectos de qualidade indiscutível no Alentejo que é a sua casa.

Histórias como a da Fita Preta, situada na Graça do Divor, que surge em 2004 com um modelo peculiar em que recorre ao aluguer de uma Adega, lançando logo dois vinhos de design e marca arrojados, o Preta e o Sexy,  com o Preta a ganhar de imediato o pémio Trophy Alentejo no International Wine Challenge, vindo das mãos de um enólogo com pouco mais de 20 anos e de um viticultor inglês que contra todas as expectativas apostam na criação de vinhos que se diferenciem no mercado, vão-se multiplicando um pouco Alentejo fora. Também a Sabores do Campo, um projeto do Hugo Cortes e do irmão, que regressam às origens familiares em Estremoz, para lançar um negócio de comercialização de produtos online quando a internet dava os seus primeiros passos, soube evoluir ao longo destes quase 20 anos alicerçando uma ideia que não só colocou o foco em produtos de excelência já existentes no território como conduziu à criação de uma marca própria de vinhos e azeite.

No extremo oposto temos a Diana Mira, uma empreendedora que quando confrontada com a precaridade de emprego na região e os difíceis anos da crise, soube identificar o valor e as mais-valias turísticas do território e arriscou no alojamento local com o Évora Inn, apresentando hoje uma oferta de grande qualidade no centro da cidade de Évora. Podemos também falar de um holandês que se apaixonou por terras do Redondo e de um projecto inicial de produção de leite mais convencional foi contruindo com a mulher a Elderink Lacticínios Ldª, que com uma zona de transformação em Rio de Moinhos coloca actualmente no mercado produtos diferenciados com origem no leite de qualidade superior que produzem.

Se no caso da Fita Preta a qualidade foi sempre um pressuposto, ainda que no início as características específicas do Alentejo não fossem a aposta diferenciadora, o tempo trouxe um amadurecimento do projeto que como o próprio vinho, o tornou mais rico. O território começa assim a afirmar-se porque, como diz a Sandra Sárria, uma das sócias do projecto, “inovar não quer dizer que não se regresse às origens” e a evolução da marca compreende, por exemplo, a recuperação da vinificação de vinho branco em talha, a valorização das características edafo-climáticas na expressão das variedades e a reabilitação de património, como a realizada aquando da aquisição da adega própria, uma casa fortificada, há 800 anos pertença da mesma família. Mas a inovação faz-se também de grande rigor e qualidade, expressos por exemplo na forma como é decidida a vindima. Recorrendo a um processo de fotointerpretação, que permite aferir o vigor vegetativo das plantas e fazer uma zonagem dentro das parcelas, recolhendo amostras diferentes, é possível decidir de forma muito precisa a data de vindima de cada zona e atingir uma qualidade superior do produto final. É este conjunto de características que diferencia a Fita Preta no mercado e a faz ser procurada todos os anos por jovens de várias nacionalidades para estagiarem.

Na Sabores do Campo a interioridade é sentida de forma mais acentuada e nota-se a dificuldade em atrair recursos qualificados para trabalhar em Arcos, no concelho de Estremoz. Mas isso não impediu a Sabores do Campo de se impor no mercado e em especial no canal HORECA, como um fornecedor de produtos que aliam a diversidade a uma grande qualidade e que consegue colocar na hotelaria e restauração produtos regionais que de outra forma não conseguiriam lá chegar. A agregação é aqui um factor diferenciador e uma mais valia da empresa, mas a Sabores do Campo almejou mais e perseguindo o seu legado familiar lançou a marca própria Monte da Glória, com uma rotulagem inovadora,  apresentando no mercado os seus próprios vinhos, mas também mel e azeite. Como diz Hugo Cortes o futuro da empresa, que se foi construindo um pouco ao contrário do costume, prevê agora “fechar o ciclo” e conseguir assegurar a produção direta e a transformação de produtos próprios, continuar a crescer e levar os Arcos ao resto do mundo.

A Diana Mira não deu a volta ao mundo para encontrar a Évora Inn mas foi a sua disponibilidade para estar aberta a ele e às oportunidades que lhe poderia trazer que a fez encontrar este projeto. Foi na Feira de São João, curiosamente a fazer voluntariado para o Monte, que a Diana se cruzou com os ex-proprietários da guest house e acabou por adquirir o negócio que já estava em funcionamento. Mas se os primeiros tempos representaram um enorme desafio e um compromisso total com o projeto, absorvendo horas infindas e implicando uma rigorosa gestão de todos os recursos, a capacidade da Diana para ver mais além e transformar o espaço em algo mais do que um simples alojamento marcou a diferença e foi uma força motriz nos períodos mais complicados.  A determinação em investir em melhorias mesmo nos primeiros anos, a aposta no design e na qualidade dos interiores, a criação de uma equipa multifacetada e comprometida com um acolhimento caloroso aos hóspedes, a requalificação e valorização dos espaços, associados a uma localização ímpar que soube promover, trouxeram à Évora Inn o reconhecimento merecido. O futuro já começou, fala diversas línguas e reconhece publicamente o ambiente que encontra.

A falar outra língua também, chegou ao em Alentejo em 1998 o Frans Elderink. Vindo da Holanda e com o sonho de ter uma vacaria encontrou em Santa Susana, no Redondo, a herdade de 190 hectares que lhe permitiu iniciar a sua produção de leite. Das 100 vacas iniciais às 1000 atuais muito investimento foi feito, não só na qualificação das instalações e bem-estar dos animais, como na produção de alimento, mas ainda assim o projeto não parou na produção exclusiva de matéria prima. Em 2000 Frans conhece a esposa Dulce, com formação em agro-indústrias  e o projeto beneficia da experiência e conhecimento de ambos.  A desvalorização do leite no mercado, aliada à vontade de fazerem algo diferente  e de valorizarem o leite de elevada qualidade que produzem leva em 2016 à criação da marca TiPiace, dedicada à produção de petiscos gourmet e distribuída essencialmente no canal HoReCa. A marca assenta na produção de artigos cuja base é a massa de queijo e iniciou com o aluguer de uma queijaria em Rio de Moinhos. Actualmente a Laticínios Elderink apresenta também no mercado os produtos da marca Regalo, onde se destaca um kefir de elevado valor biológico que preserva toda a gordura do leite de elevada qualidade a partir do qual é produzido. A família Elderink construiu um projeto em que a qualidade é o mote o que lhes permite chegar ao mercado com uma diversidade de produtos de alto padrão, que foram premiados na 4ª edição Prémio Intermarché Produção Nacional na categoria Produtos Transformados pela apresentação de queijo fresco como recheio de pimentos vermelhos e são diariamente premiados pelo sucesso da marca Regalo junto dos consumidores.

O Alentejo está vivo e permanece uma inspiração para todos os que reconhecem o seu valor e o programa Destaque Leader no Alentejo Central trá-los até si todos os meses na Radio Telefonia do Alentejo.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.