auchan
Diario do Sul

IPSS de Évora apela a ajuda de particulares e empresas

Pão e Paz precisa de apoio financeiro e de géneros alimentares

Autor :Marina Pardal

Fonte: Redação DS

02 Outubro 2019

São cerca de 120 refeições diárias que a Pão e Paz fornece a famílias carenciadas de Évora. Essa missão é desenvolvida de forma regular há mais de 13 anos num espaço situado no centro da cidade.
Esta associação começou a sua atividade em 2001 com a realização do seu primeiro jantar de Natal no Monte Alentejano, em Évora, sendo reconhecida e registada como Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) desde 2003. Três anos depois, abriu o refeitório na Rua dos Penedos n.º13, numa casa cedida pelo já falecido José Flamínio Roza.
Todo este trabalho tem sido levado a cabo “com grande esforço e com a ajuda de diversas entidades e particulares”, referiu a presidente da Direção da Pão e Paz, Maria Teresa Caetano.
Sendo uma instituição que vive daquilo que lhe dão, há alturas em que a ajuda aos outros fica ameaçada, já que a própria Pão e Paz passa por dificuldades. Presentemente, a associação está a passar por um desses momentos e apela por isso à ajuda de todos.
Maria Teresa Caetano começou por recordar que “temos despesas fixas mensais, nomeadamente três vencimentos, as contas de luz, água, gás, telecomunicações e alarme, para além da despesa da compra de alimentos, principalmente proteína, que é aquilo que é menos doado”.
Salientou que, “neste momento, também já temos falta de arroz, massa, azeite e outros géneros”.
Segundo a mesma responsável, “apesar de sermos uma IPSS, e de lutarmos há anos por um acordo de comparticipação com a Segurança Social, têm surgido entraves burocráticos difíceis de licenciar essa ambição”.
Como tal, garantiu que “sobrevivemos apenas do que nos doam”, especificando que “os meses de verão e esta altura de regresso às aulas são sempre épocas em que os donativos, quer alimentares, quer financeiros, são diminutos e nós continuamos a servir todos os dias cerca de 120 refeições”.
Nesse sentido, “apelo às pessoas individuais que possam que façam doações de géneros alimentares e/ou financeiros à nossa associação”, frisou a presidente da Direção da Pão e Paz.
Acrescentou ainda que “pedimos às empresas da cidade de Évora, do ramo alimentar, que possam doar os excedentes e/ou os produtos em fim de validade”.
A par disso, Maria Teresa Caetano apelou também “às empresas que possam para fazerem donativos financeiros”, apontando que “podemos sempre passar recibos desses donativos”.
A mesma responsável realçou que, “às vezes, muitas pessoas querem ajudar, mas não sabem o que comprar”.
Nesse âmbito, lembrou que “existem os cartões-presente dos supermercados que nos permitem gerir o donativo (económico) que as pessoas ou as empresas nos dão e comprar os produtos com melhor preço ou em promoção, consoante as nossas necessidades”.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.