capital humano
Diario do Sul

Projecto INTREPIDA

Évora é o balão de ensaio para consolidar a internacionalização de negócios locais

Iniciou-se hoje a 4ª edição do Fórum INTREPIDA, no qual um conjunto de empresárias oriundas de Portugal e Espanha tiveram oportunidade de trocar experiências, perceber quais são as possibilidades de congéneres, com a finalidade de aumentar as suas redes de contactos em termos comerciais.

Autor :Organização Intrepida

19 Fevereiro 2020 | Publicado : 19:19 (19/02/2020) | Actualizado: 16:39 (27/02/2020)

Um dos momentos mais importantes desta iniciativa foi a networking através da qual as empreendedoras se apresentaram e mostraram o que pretendem para os seus negócios, ficando a conhecer novas realidades, diferentes das suas, mas igualmente relevantes para o desenvolvimento das suas áreas de atuação.
Delfina Marques, vice-presidente do NERE salientou a importância da partilha entre empresárias, salientando a necessária troca de informação e garantindo que “há já resultados profícuos neste projeto”. A dirigente afirmou que estas mulheres participam neste fórum para “procurar novos mercados, novos clientes, tentando chegar mais longe – alcançar a internacionalização”. Deu exemplos de negócios de associados do NERE que são casos de sucesso como a olaria que esteve presente na Feira do Artesanato em Lisboa, num desfile com elementos de olaria dos dois lados da fronteira. Um outro tem a ver com a exportação dos figos da índia, sobretudo porque o setor agroalimentar é “o mais fácil de exportar”.

Também no Alentejo, a Associação Empresarial da Região de Portalegre (NERPOR) evidenciou a relevância das empresárias conseguirem fortalecer as ligações entre si. Rui Perestrelo, técnico coordenador do projeto afirmou que é decisivo estreitar laços entre as empreendedoras dentro do Alentejo, com o Algarve e aumentar as sinergias com a Andaluzia. “Cooperação” é a palavra-chave que, de acordo com o responsável, deve imperar. “Conhecer os produtos e fazer a ponte para os colocar em Espanha através de um modelo económico da nossa região é decisivo”, frisou. O setor estratégico são os produtos agroalimentares (azeite, vinho, frutícolas) e o artesanato, levando Rui Perestrelo a acreditar que a região Alentejo tem um grande potencial para alcançar a internacionalização.

Joana Martins, coordenadora do projeto no Ninho de Empresas de Loulé (REGIOTIC) afirmou que a maior expetativa relativamente a estes encontros é que as empresárias possam criar parcerias e ter uma difusão maior dos seus serviços ou produtos nas três regiões. “Temos empresárias que já realizaram projetos de parceria, aliás, recentemente uma empresária do Algarve que tem uma fábrica de sabonetes e cosmética natural conseguiu estabelecer negócio com uma empresária da Andaluzia que tem um hotel e assim fizeram um intercâmbio de produtos”, contou. A internacionalização e as tecnologias de informação e comunicação foram apontadas como os grandes desafios para todas estas empresárias.

Organizado pelo Núcleo Empresarial da Região de Évora (NERE), parceiro oficial do projeto na região do Alentejo, em colaboração com o coordenador do projeto - a Fundação Três Culturas do Mediterrâneo - o IV Fórum INTREPIDA, que termina amanhã, assumindo-se como uma câmara de ensaio empresarial e económica para as três regiões.

Do programa de hoje destacou-se ainda a presença de Jesús Herández, um profissional com uma ampla experiência em sistemas de marketing digital que surpreendeu todas com a ideia de que a diferenciação dos produtos vale mais do que a presença assídua nas plataformas digitais. “Quem não está na internet está morto, mas há mais cadáveres digitais do que analógicos”, frisou, reiterando que muito do que acontece na internet “é efémero”, considerando que as relações que se estabelecem na realidade “real” são valias comparativamente com realidades “virtuais”. O especialista defendeu que a genuinidade, a identidade e a diferença são estratégias determinantes para o sucesso empresarial.
Este é o fórum de encerramento do projeto INTREPIDA - Internacionalização das Mulheres Empresárias de Espanha e Portugal para a Inserção, Desenvolvimento e Alianças – que termina a 30 de junho deste ano e que conta com o apoio financeiro do programa Interreg POCTEP Espanha-Portugal, bem como dos restantes parceiros: Núcleo Empresarial da Região de Évora – NERE, Associação Empresarial da Região de Portalegre – NERPOR-AE, Ninho de Empresas de Loulé – REGIOTIC, Diputación de Huelva e FUECA em Cádis.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.