Diario do Sul

Reabertura só deverá acontecer no final do verão

Livros da Biblioteca Pública de Évora já podem ser requisitados

Autor :Marina Pardal

Fonte: Redação DS

23 Maio 2020

Foi em abril de 2019 que a Biblioteca Pública de Évora (BPE) fechou parcialmente para obras. Já no decorrer da reabilitação, em agosto desse mesmo ano, teve de encerrar o edifício por completo, passando a funcionar o serviço de atendimento geral e a consulta de obras do serviço de reservados no espaço da Loja do Museu de Évora.

No entanto, como medida de contenção da Covid-19, a 16 de março os serviços da BPE tiveram de ser encerrados.

No passado dia 4 deste mês, as bibliotecas puderam reabrir ao público, de acordo com o calendário do desconfinamento anunciado pelo Governo.

A BPE, situada em pleno centro histórico da cidade alentejana e com 215 anos de história, prepara agora a sua reabertura, mas tal não vai acontecer para já.

De acordo com Zélia Parreira, diretora da BPE, “as obras estão concluídas”, constatando que “faltam apenas alguns detalhes, que até podem ser feitos connosco a trabalhar aqui dentro”.

Adiantou que “já estamos a fazer a limpeza dos espaços”, referindo que “enquanto estivemos em teletrabalho, durante o confinamento, mudámos os registos do nosso sistema informático, no sentido de retirar documentação que já estava desatualizada do serviço de empréstimo”.

Zélia Parreira exemplificou que “há livros já com novas edições, outros em mau estado, e esses vão passar para depósito, deixando assim espaço livre para as novidades que vamos receber para a reabertura da biblioteca”.

Contou ainda que, “já começaram a chegar os livros que foram para desinfestar na Biblioteca Nacional de Portugal”.

A diretora da BPE explicou que “os livros foram submetidos a um processo de anóxio, ou seja, foram fechados dentro de uma câmara de onde é extraído todo o oxigénio para que eventuais pragas que existam dentro dos livros morram por sufocação”.

Acrescentou que “todos os detritos que estão dentro dos livros ficaram lá e agora temos de limpar um a um e colocá-los nas estantes”.

Segundo a mesma responsável, “este é o trabalho que vamos fazer até à abertura da biblioteca”.

Assumiu que “é difícil dizer com precisão qual vai ser a data de reabertura porque ainda não temos um período de tempo a decorrer que nos permita calcular o ritmo e fazer uma estimativa”.

Zélia Parreira esclareceu que, “dado este atraso devido à Covid-19, tínhamos pensado abrir a 1 de setembro, mas pode ser que consigamos antes, mas nunca será muito mais cedo”.

Em relação à reabertura, admitiu que “não vamos poder abrir o serviço de empréstimo tal como ele funcionava”, destacando que “as pessoas vão ter de nos pedir os livros e nós é que os vamos buscar, pois seria muito difícil garantir as regras de segurança”.

Além disso, a mesma responsável referiu que “vai haver uma redução substancial do número de lugares disponíveis, para cumprir as normas de distanciamento social”.

Reforçou ainda que “as pessoas vão poder frequentar a biblioteca, mas somos nós que vamos buscar o livro”, frisando que “depois do mesmo ser consultado ou emprestado tem de ficar em quarentena durante nove dias”.

Apesar da reabertura ainda demorar alguns meses, já é possível requisitar os livros da BPE. “Iniciámos um serviço de empréstimo condicionado, que era o que já acontecia quando encerrámos para obras”, avançou Zélia Parreira.

Focou que “as pessoas podem requisitar os livros online, fazer reservas e depois têm a opção de escolherem um local onde querem ir levantar os livros, de acordo com uma lista que está definida no nosso site e que coincide com as juntas de freguesia do concelho de Évora”.

A diretora da BPE assegurou que “já contactámos todas as juntas de freguesia, não só aquelas em que existem polos da biblioteca, e algumas já demonstraram disponibilidade, outras estamos à espera de resposta”.

A mesma responsável revelou também que “como temos de ir levar e recolher os livros em cada um dos locais dessa rede, as entregas de livros serão às terças e às sextas-feiras”.

Disse ainda que “a devolução será feita pelos leitores no mesmo local onde recolheram os livros, os quais ficam depois em quarentena”.

Zélia Parreira comentou que, “no caso da junta de freguesia do centro histórico, a entrega é feita ao domicílio, de acordo com um serviço que a junta já tinha criado”.

Não obstante este encerramento físico, a BPE tentou manter a ligação com os leitores, lançando no dia 2 de abril a iniciativa "Todos no sofá... mas cada um no seu".

A diretora da biblioteca apontou que, “através das plataformas digitais, temos dinamizado semanalmente conversas sobre diversos temas, estando a participação aberta a todos, mediante inscrição prévia”.

Ainda a respeito desta relação entre a BPE e os leitores, Zélia Parreira assegurou que “recebemos diariamente vários emails, telefonemas e mensagens de pessoas a perguntarem quando é que reabrimos”.

Concluiu que “a nossa comunidade precisa da biblioteca e tem manifestado essa necessidade”.

Dê-nos a sua opinião

NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.