Diario do Sul
Twitter rectangular

Mestrados de Relações Internacionais e Sociologia organizaram colóquio

“A Europa e o seu desenvolvimento” foram pensados na Fundação Alentejo

A Fundação Alentejo acolheu, na passada sexta-feira, o seminário “A Europa e o Desenvolvimento: estado(s) da Educação/Formação, Cooperação e Relações Internacionais”, organizado numa parceria entre os mestrados de Relações Internacionais e Estudos Europeus e de Sociologia. O objetivo foi precisamente fomentar o diálogo entre a academia e a sociedade civil e potenciar o pensamento crítico sobre assuntos r

Autor :Maria Antónia Zacarias

Fonte: Redacção D.S.

25 Novembro 2015

Este colóquio dirigiu-se aos estudantes dos mestrados envolvidos e a outros graus de ensino, bem como a outros cidadãos interessados sobre a temática, tendo estado presentes alunos da Escola Profissional da Região Alentejo (EPRAL).

De acordo com o professor José Manuel Caetano é importante que a comunidade científica se encontre com a sociedade, “conseguindo-se contrariar a postura de costas voltadas como aconteceu durante muito tempo”.

O diretor do mestrado em Relações Internacionais e Estudos Europeus explicou que esta iniciativa surge no âmbito de um desafio que “o diretor da Escola de Ciências Sociais lançou aos diretores de mestrados no sentido de nós abraçarmos a comunidade e nos envolvermos em algumas organizações conjuntas com as entidades regionais e locais”. Nesse sentido, o Mestrado de Relações Internacionais e Estudos Europeus e o Mestrado de Sociologia aproveitando a oportunidade da comemoração do Ano Europeu do Desenvolvimento decidiram fazer um evento conjunto.

A escolha da temática explicou, José Manuel Caetano, teve a ver com o desenvolvimento que “é, nos nossos dias, uma questão fundamental, nas suas várias vertentes. Desenvolvimento não se confunde somente com crescimento económico com que somos bombardeados no dia-a-dia. O desenvolvimento tem a ver com bem-estar, com qualidade de vida, com dar acesso às pessoas, aos bens, aos serviços, ao lazer e, desse ponto de vista, cruzam-se várias perspetivas”.

Uma perspetiva mais regional e mais local e depois as perspetivas mais internacionais “e que têm a ver com a crescente assimetria que continua a existir entre os países mais e menos desenvolvidos”, adiantou, justificando, por isso, a necessidade destas duas temáticas terem sido abordadas neste colóquio.

Pensar o desenvolvimento
a nível regional

e internacional

Na primeira parte, vocacionada para a “Educação/Formação e Desenvolvimento Territorial” foi possível perceber “como as instituições e os agentes interagem no sentido de facilitarem o acesso aos bens coletivos, sociais e públicos, o acesso da população, tendo os vários intervenientes dado exemplos das suas atividades”, frisou o mesmo dirigente. Neste painel foram intervenientes: Fernanda Ramos (Fundação Alentejo), David Machado (Rota do Guadiana – Associação de Desenvolvimento Integrado), Jorge Revez (Associação de Defesa do Património de Mértola) e Paula Sofio (Associação de Desenvolvimento Regional do Alentejo).

A segunda parte, sob o assunto “Relações Internacionais e Cooperação para o Desenvolvimento” visou tratar da importância das relações internacionais e da cooperação entre as várias entidades em outros países, tendo tido como palestrantes: Margarida Marques (deputada à Assembleia da República) e João Estêvão (ISEG/ Centro de Estudos sobre África, Ásia e América Latina).

De acordo com José Manuel Caetano, esta iniciativa foi apenas uma de outras que estão pensadas para trazer o conhecimento da Universidade de Évora para junto da comunidade em que está inserida.

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.