Diario do Sul
COMPETE 2020

Alentejo conquista mais um selo de reconhecimento, contabilizando quatro

Fabrico de Chocalhos classificado Património Cultural Imaterial pela Unesco

Os chocalhos e os esquilinhos fizeram-se ouvir, ontem, dia 1 de dezembro, na 10.ª reunião do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da Unesco, a decorrer em Windhoek, na Namíbia, até sexta-feira, dia 4. A arte chocalheira conseguiu o título de Património da Humanidade, juntando-se aos três selos já existentes na região Alentejo.

Autor :Maria Antónia Zacarias

Fonte: Redacção D.S.

01 Dezembro 2015 | Publicado : 18:35 (01/12/2015) | Actualizado: 18:36 (01/12/2015)

O título agora conquistado pelo fabrico de chocalhos vem reforçar, segundo os proponentes, junto dos mercados, a singularidade e diversidade de um destino – Alentejo - que se posiciona pela excelência e singularidade.

A decisão foi tomada às 14:20 de ontem (hora de Lisboa), ao início da tarde, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). O comité aprovou a candidatura portuguesa do fabrico de chocalhos (ou arte chocalheira) e a sua inscrição na Lista do Património Cultural Imaterial com Necessidade de Salvaguarda Urgente

A candidatura, liderada pela Turismo do Alentejo / Ribatejo - em estreita parceria com a Câmara Municipal de Viana do Alentejo e a Junta de Freguesia de Alcáçovas - visou alcançar o reconhecimento universal de uma arte identitária da região, mas também a sua valorização e salvaguarda.

O ofício e a arte chocalheira remontam há mais de dois mil anos na região e tem chegado até aos nossos dias com a passagem da sabedoria de geração em geração. Contudo, com vista a que não se perdesse no efémero tempo, foi elaborada esta candidatura que, agora, viu aceite a distinção de um património que deixa de ser somente alentejano e que passa a ser do mundo.

De acordo com um comunicado de imprensa enviado pela Turismo do Alentejo, a presidente da Junta de Freguesia de Alcáçovas, Sara Pajote, afirmou que “a freguesia de Alcáçovas com os seus chocalheiros e esquilaneiros têm agora uma responsabilidade acrescida no incremento e preservação de uma arte milenar”.

Bernardino Bengalinha Pinto acredita
que reconhecimento ajuda ao desenvolvimento
do concelho de Viana do Alentej
o

Também o presidente da Câmara de Viana do Alentejo, Bengalinha Pinto considerou que a classificação do fabrico de chocalhos contribuirá “para o desenvolvimento do concelho e da região. Esta conquista valoriza os chocalheiros e esquilaneiros, assim como o seu engenho e todo o património material e imaterial do concelho e respetivas potencialidades”.

Para o município, esta é uma arte que merece continuidade, afirmando que “é com muito orgulho que vimos os nossos esforços reconhecidos e a partir de hoje o fabrico de chocalhos será salvaguardado. Deixou de ser uma preocupação só nossa, será uma missão de cada um de nós preservar esta nossa identidade. Hoje não foi só o Alentejo, nem o nosso município que ganhou este reconhecimento, foi Portugal”.

Também a embaixadora da Namíbia em Portugal, Helena Paiva, disse que “Portugal regozija-se com a inscrição do fabrico de chocalhos na Lista de Salvaguarda Urgente do Património Cultural Imaterial da Unesco, em particular porque tal aconteceu na primeira reunião do Comité em África, continente com o qual partilhamos relações culturais e históricas muito próximas”.

O processo de valorização do fabrico do chocalho não se esgota neste reconhecimento, uma vez que a Turismo do Alentejo / Ribatejo, a Câmara de Viana do Alentejo e a Junta de Freguesia de Alcáçovas estão a desenvolver um plano de salvaguarda que garanta a sustentabilidade e transmissão desta arte milenar.

“Este reconhecimento é de Portugal e de todos os alentejanos" - presidente da ERT Alentejo/Ribatejo

Este é o segundo ano consecutivo que o Alentejo vê um bem identitário do território reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Em entrevista exclusiva ao “Diário do Sul”, o presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo, António Ceia da Silva, este selo é uma grande notícia para este território, considerando que deve ser um grande orgulho para todos os alentejanos.

O presidente da Turismo do Alentejo afirmou que “os alentejanos podem estar todos de parabéns e podem estar orgulhosos. Este reconhecimento é de Portugal e é de todos os alentejanos”.
O mesmo responsável lembrou que a entidade regional tem trabalhado muito, nestes últimos anos, nas questões identitárias. “É uma das nossas linhas estratégicas de intervenção. Conseguimos em dois anos sermos o destino, em Portugal, com mais bens reconhecidos pela UNESCO. Isto significa que é um trabalho nosso e em parceria com outras entidades, no cante alentejano com o município de Serpa, agora com o município de Viana do Alentejo e com a junta de freguesia de Alcáçovas”, justificou.
António Ceia da Silva reforçou o facto de este empenho assentar numa linha de intervenção estratégica que “tem um posicionamento, uma forma muito concreta de estruturar um destino a médio e longo prazo que, hoje, viu aqui mais um dos pontos reforçados e reconhecidos pela UNESCO que simboliza muito para todos nós”. E acrescentou: “Quero partilhar este troféu com todos os alentejanos e com toda a família do turismo e da cultura. É para nós, claramente, um pressuposto de identidade do território”.
O dirigente realçou ainda o facto de numa altura em que se fala tanto “em terror, em medo”, a UNESCO acabar por ser “o grande ponto de encontro dos povos, associando a cultura e o património à identidade e valorização e isso é, para nós, também muito relevante”.

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.