Diario do Sul
diario jornal

Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais

Conhecer a pobreza para tentar combatê-la

A intervenção no domínio da luta contra a pobreza passa também por conhecer a realidade.

Autor :Marina Pardal

Fonte: Redacção D.S.

13 Janeiro 2016

Esse diagnóstico vai permitir encontrar as medidas mais adequadas para os diferentes problemas que surgem nesta área.

Nesse âmbito, as instituições ligadas aos estudos sociais têm um papel que poderá contribuir para tornar mais favorável esta luta protagonizada por diferentes entidades.

É esse o caso do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais. Nesta entrevista ficamos a conhecer o polo de Évora deste centro, através do professor e investigador Marcos Olímpio, que é também membro executivo da Rede Social do Concelho de Évora.

O professor começou por esclarecer que o Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais é recente e que no caso do polo de Évora “herdou algum do trabalho feito pelo Centro de Investigação em Sociologia e Antropologia Augusto da Silva”.

Segundo Marcos Olímpio, “temos prestado apoio às instituições, nomeadamente através da sua qualificação, também ajudamos a fazer planos de atividades, candidaturas, entre outros projetos”.

Explicou ainda que, “em relação à rede social, contribuímos através da recolha, tratamento e análise de informação sobre o concelho de Évora, nomeadamente na elaboração do diagnóstico social e depois do plano de desenvolvimento social”.

De acordo com o mesmo investigador, “colaboramos ainda com a Rede Europeia Anti-Pobreza, nas suas funções de formação e de informação”.

Marcos Olímpio adiantou também que “ao mesmo tempo, contribuímos para a qualificação das instituições que trabalham diretamente com este público-alvo”.

Para Marcos Olímpio, “este trabalho mais teóricotem importância para o dia-a-dia das instituições a dois níveis”, salientando que, “por um lado, quem conhece, está mais habilitado a intervir”. Por outro lado, “tem também a ver com a questão da qualidade”, disse.


Apostar na qualidade
e na sustentabilidade
das instituições

O investigador do polo de Évora do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais sustentou que “há dois grandes problemas que se colocam às instituições, um é o da qualidade e o outro é o da sustentabilidade”.

Focou ainda que “nestes trabalhos que vamos desenvolvendo proporcionamos alguns tipos de dados para que possam melhorar a sua qualidade, mas também trabalhamos na sustentabilidade das instituições, que é fundamental para garantir a sua existência”.

No que diz respeito à sustentabilidade, Marcos Olímpio sublinhou que “pode ser garantida através da elaboração de candidaturas para obtenção de fundos, mas passa também pela organização ou pelo contacto com outras instituições, para garantir o networking”.

Para além disso, “é necessário que as instituições percebam qual é a sua missão, a visão que têm, os seus valores, os resultados que pretendem atingir concretamente e depois como é que os podem atingir”, especificou o professor.

Na sua perspetiva, “apesar deste trabalho ser ‘uma gota de água no oceano’, nalguns casos acaba por fazer a diferença”.

Realçou ainda que “os estudos sobre os indicadores da pobreza permitem perceber quais as medidas que é necessário tomar”, recordando que “em termos do apoio à pobreza, temos as políticas públicas nacionais, mas temos também as locais, que são muito importantes, nomeadamente das autarquias, sendo depois complementadas com o papel das diferentes instituições que estão no terreno”.

No âmbito daRede Social do Concelho de Évora, Marcos Olímpio frisou que “o centro tem trabalhado com diversas instituições”, revelando que “damos também apoio às redes sociais de outros concelhos”.

Dê-nos a sua opinião

Incorrecto
NOTA: As opiniões sobre as notícias não serão publicadas imediatamente, ficarão pendentes de validação por parte de um administrador.

NORMAS DE USO

1. Deverá manter uma linguagem respeitadora, evitando conteúdo malicioso, abusivo e obsceno.

2. www.diariodosul.com.pt reserva-se ao direito de eliminar e editar os comentários.

3. As opiniões publicadas neste espaço correspondem à opinião dos leitores e não ao www.diariodosul.com.pt

4. Ao enviar uma mensagem o utilizador aceita as normas de utilização.